segunda-feira, 7 de junho de 2010

Coisas normais que dão medo

Ontem eu estava dando uma lida no blog Sinistro ao Extremo quando me veio à mente, de súbito, o seguinte assunto: alguma vez tu já tomou um susto ou teve medo de alguma coisa que, a princípio, não era para ser assustadora? Pois é, comigo acontece isso. Então vou falar das principais coisas normais do dia-a-dia que acabam nos fazendo cagar tijolos às vezes.

Edit: aparentemente o blog Sinistro ao Extremo não existe mais, pelo que pude observar ao clicar no link acima (verifiquei se o link estava errado, e não é o caso), o que é uma pena.


1 - Manequins


Esses dias eu fui mostrar o filme Eu Sou a Lenda para o meu irmão e acabei revendo o filme inteiro com ele. Aí relembrei as cenas dos manequins. Não vou explicar as cenas, mas veja o filme, garanto que não é nada de mais (na verdade a primeira cena é até cômica). Mas sei lá, me sinto meio inquieto quando vejo manequins. Não chega a ser medo mesmo; como eu falei, é mais uma sensação de inquietude.

E não é nem pelo manequim em si, mas geralmente pela atmosfera criada pela presença do manequim no lugar. Meio difícil explicar. E também bate um medo quando acontecem situações tipo aquelas cenas de filmes: um cara olha e lá está o manequim. Daí depois de um tempo ele olha de novo e o manequim está em outra posição, ou nem está mais ali. O medo nem é pelo manequim em si, pois obviamente é um objeto inamimado e nunca se mexeria. O problema é a pergunta que vem imediatamente após essa conclusão: Quem ou o que o mexeu?

Tente me convencer de que manequins são legais depois desta imagem.


2 - Bonecas e fantoches


Seguindo no mesmo estilo dos manequins (modelagem da figura humana), temos os diversos tipos de bonecas e fantoches. E reparem que fui bem específico ao dizer "bonecas. Action figures e bonecos à la Comandos em Ação, por exemplo, não me causam transtorno algum. Pelo contrário; brincava muito com meus inúmeros bonecos e até faz pouco tempo que doei eles a uma instituição para crianças carentes.

Mas essas bonecas-bebês, feitas para meninas, caramba... Piscam os olhos, falam, caminham, umas até fazem xixi! Parece que foram feitas para nos assustar. Esses dias eu vi um comercial antigo da Boneca que Ri-Bastante, e nossa, aquilo é maligno. Ah, e há também aquelas de porcelana, mais "quietinhas", e talvez por isso, mais perturbadoras ainda.

Que olhar adorável.

E o que falar dos fantoches? Lembra daqueles teatrinhos de fantoches das festas de aniversário no Mc Donald's? Nunca simpatizei com aquilo lá. Na real tu sabe que é só um cara mexendo a mão e fazendo a voz do boneco, mas tu sempre fica pensando que tem alguma coisa estranha com os tais fantoches. E por que eles têm que fazer os bichos tão feios, não? Assim traumatiza a gurizada, pô.


3- Sombras


Assim como as nuvens no céu ou os ideogramas estranhos da língua japonesa podem formar desenhos bonitinhos para pessoas imaginativas, as sombras formadas pelas bugigangas na estante também podem tomar formas um tanto macabras num quarto escuro à noite. Lembro que uma vez, quando eu já estava coberto na cama, quase apagando, tomei um baita cagaço porque quase pude ter certeza de que havia um morcego no quarto, tal era o realismo da sombra formada por uma combinação de sei lá quais objetos que eu deixava na estante à época.

Cacilda!

Às vezes também acontece de estarmos caminhando na rua num fim de tarde, de costas para o sol, e devido ao pequeno ângulo de incidência dos raios solares as sombras aumentam de tamanho. Aí sei lá, tem duas crianças trocando passes com uma bola atrás de ti, até que uma delas chuta a bola mais alto, de forma que a sombra da bola se projeta no chão à tua frente, e como a sombra está bem maior, tu acha que vai cair um puta meteoro na tua cabeça. Não riam, eu sei que já aconteceu alguma situação análoga com todo mundo.

Se eu sair por aí falando que tenho medo de sombras, vai parecer ridículo, mas falando sério, quem é que nunca levou um sustão por causa de uma sombra? Admita, sombras assustam.


4 - Mensagens subliminares


Tá aí uma coisa que geralmente já tem o intuito de nos deixar cabreiros, confusos, como acontece com as capas de alguns álbuns dos Beatles, por exemplo, mas outras vezes a ideia é só fazer uma propaganda "inofensiva". Uma vez vi um vídeo, não sei se era na internet ou se era um programa de TV, mas lembro que estavam falando sobre a influência dessas "mensagens", e mostravam imagens de um outro programa qualquer em câmera lenta, e aí uma hora dava pra ver rapidamente uma foto com o logotipo do Mc Donald's (com o programa rodando em velocidade normal era impossível detectar).

Um dos casos mais famosos de supostas mensagens subliminares: a capa do álbum Abbey Road, dos Beatles. Para maiores informações, pesquise por "Paul is dead".

O medo surge quando refletimos sobre a efetividade dessa técnica de merchandising. Será que essas coisas realmente nos influenciam? Será que comprei o refrigerante X na padaria por vontade própria ou foi porque encheram o meu sub-consciente de mensagens de 30 microsegundos dizendo "Compre X"? Pensar na ideia de ser facilmente controlável por alguém dá bastante medo.


5 - Corredores


Corredores são sinistros. Por quê? Ok, olha só: qual o princípio de um corredor? É um caminho que serve de conexão entre as peças de uma casa, ou entre os apartamentos de um andar de um prédio, ou entre duas ou mais áreas fechadas quaisquer. Isto significa que as pessoas usam corredores para chegar aos seus destinos finais. Ou seja, em geral as pessoas não ficam nos corredores, só passam por eles. Conclusão: a menos que tu encontre alguém que também esteja se deslocando nele, nunca há ninguém num corredor. E o que acontece quando estamos num lugar em que não há ninguém, mas que sabemos que pode aparecer alguém a qualquer momento? Ficamos com medo.

Na verdade lugares vazios em geral dão medo; corredores não são exceção. Claro, tirando corredores agitados, como os de hospitais por exemplo, onde sempre há médicos e pacientes caminhando pra lá e pra cá (a não ser que sejam corredores de hospitais abandonados de filmes e jogos de terror; esses aí estão quase no topo da lista de lugares assustadores).

Outra merda dos corredores é o fator claustrofobia. Só há uma dimensão para fugir caso surja um problema. Como diria tio Sílvio, "vem pra cá ou vai pra lá." Se vem um zumbi de cada lado, fudeu!

Corredores... são... sinistros.


6 - Mendigos e malucos das ruas


Esses caras são imprevisíveis. Num dia tu passa por um mendigo na rua e ele te cumprimenta com um amigável (embora desdentado) sorriso no rosto. No outro, ele manda tu dar dinheiro e te xinga de filho da puta. O negócio é passar reto sem nem olhar (ou olhar pelo canto do olho pra se certificar que ele não vai vir te atacar), e sair de perto rápido. Sabe-se lá o que diabos o cara vai fazer se tu parar e der qualquer atenção.

A outra categoria é a dos loucos, que geralmente também são mendigos, mas nem sempre. Teve uma vez que eu estava a pé, voltando da aula para casa, quando me deparei com a curiosa figura de um homem de paletó com um pedaço de pau na mão direita. À medida que eu me aproximava, percebia que ele estava resmungando qualquer coisa sem nexo sobre o Miranda, se é que não me falharam os ouvidos. Não me preocupei em prestar atenção o suficiente para que o monólogo começasse a fazer algum sentido. Seguindo o bom senso, atravessei a rua e segui meu caminho na outra calçada, a passos largos e ligeiros.

- E depois dizem que eu não tô bem da cabeça, veja só o senhor, mas eles são tudo uns puto, não sabem nada...


7 - Animações feitas com massa de modelar


Uma imagem vale por mil palavras. Um vídeo vale por mil imagens.




8 - Vinhetas da MTV


Todo mundo fala das vinhetas da MTV no Brasil, inclusive existem várias comunidades sobre isso nas 50 milhões de redes sociais que existem hoje em dia. Se não me engano rolou até um processo porque colocaram subliminarmente imagens de sexo explícito e umas paradas satanistas em uma das vinhetas. Tenso.


De fato, a maioria das vinhetas são angustiantes e nenhuma delas faz muito sentido. Começo até a achar que eles fazem isso para assustar mesmo, mas como não é uma coisa assumidamente com este propósito, como um filme de terror ou um Silent Hill da vida, acho que dá pra colocar nessa lista e categorizar as tais vinhetas como "coisas normais".

Se duvida da bizarrice do negócio, clique AQUI para ver uma vinheta que não chegou a ser veiculada, denominada A Boneca. No mínimo, perturbador.


9 - Anomalias


Ninguém tem coragem de falar que tem medo disso, porque todo mundo pensa naquelas pessoas que nascem sem metade de um braço (com aquelas pequenas protuberâncias no lugar de dedos), no nanismo ou na síndrome de Down. Então ninguém fala que acha anomalias estranhas e assustadoras por causa do medo de ser chamado de preconceituoso, etc. Não tenho problema com os três casos citados, inclusive são anomalias "comuns" e não há nada de mais nisso. Aliás não entendo como algumas pessoas sempre acham que estamos falando mal de alguém só porque usamos expressões um tanto fortes para descrevê-las; dizer que um cara tem uma anomalia de maneira nenhuma significa dizer que ele é inferior, retardado ou um pobre coitado. Mas enfim, sempre tem um tonto que matava as aulas de Português e não sabe interpretar o que lê...

Mas, voltando ao assunto, tem uns casos que, sejamos francos, são bizarros. Gêmeos siameses, o tal do Homem-Polvo e o famoso Homem Elefante, cobras e cães de duas cabeças, hermafroditismo e outras coisas que nem é bom citar para não incentivar pesquisas no Google Imagens.

E não é Photoshop.

Entretanto, o medo não é devido à pessoa que tem a anomalia, mas por causa da chance de algum dia vir a ter um filho com a anomalia, pois desejamos que nosso filho nasça saudável, e sabemos que muitas anomias estão ligadas a graves problemas de saúde. Sem falar no sofrimento psicológico que a criança passará, pois sempre será o alvo das atenções e as pessoas, mesmo tentando disfarçar, olharão curiosas ou desconfiadas para ela, e tenderão a se afastar da criança. Então não é medo pelo fato de ser pai da criança, mas sim um temor por possíveis problemas de saúde dela e pela discriminação que ela sofrerá ao conviver em sociedade.


10 - Coincidências


Coincidências? Que tosco... Está pensando no quão frangote subnutrido cagadinho eu sou, né? Tenho medo de tudo! Ah, mas vai dizer que o caro leitor nunca achou no mínimo esquisitas certas coincidências do dia-a-dia? E às vezes acontecem não uma, nem duas, mas uma sucessão de várias coincidências num só dia, num só momento ou com uma só pessoa, o que soa mais estranho ainda. Nem é preciso que eu fale de experiências pessoais, tenho certeza que todos já testemunharam assustadoras situações de coincidência.

Neste caso, acredito que o medo venha quando paramos para pensar nas probabilidades de que certo número de eventos ocorra simultaneamente resultando na tal coincidência. Eu, particularmente, não acredito na ideia de destino pré-determinado, mas sim na ideia de que fazemos nosso destino. Ou seja, cada e qualquer ação que qualquer ser (vivo ou não) faça terá um impacto em um imenso número de outros seres no universo, alterando o rumo que a história poderia tomar se fosse feita outra ou nenhuma ação. E quando paramos para pensar na combinação de acontecimentos e ações necessárias para que certas coincidências ocorram (e principalmente nas probabilidades envolvidas), concluimos que é incongruente não pensar que haja uma "Força Maior" controlando todos esses acasos a bel-prazer (o que inclusive contradiz minhas crenças sobre o destino).

Seríamos nós marionetes do nosso próprio destino?

Simplificando o blá-blá-blá, o ponto é: se uma Força Maior (ou Deus, se preferirem) existe, ele controla todas as ações de todos os seres no universo? Ou somos dotados de livre-arbítrio? Espero que seja válida a segunda, pois, de forma semelhante às mensagens subliminares, é assustador pensar na ideia de ser controlado, mesmo que seja a vontade divina.

2 comentários:

†† Glória †† disse...

sinistra a animação com massinha..
deu medo..

petitnicollas disse...

Cara as vezes eu também me acho um pouco cagão,tenho medo de todas as coisas que você citou,porém não tenho medo desses filmes de terror como o "Atividade Paranormal", que no caso, não o achei um filme de terror,admito que levei um susto mas não fiquei com medo a ponto de "ficar sem dormir" ou algo do tipo,e como filme não achei ele muito bom, mas à quem não concorde comigo..